Informação, Tecnologia e Qualidade a Serviço do Criador.

O portal feito para você e seu pássaro!

(19) 3873-4161 / (19)3903-2065 / (11)97110-0585

vendas@amgercal.com.br

Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
  |    |   São Paulo - SP 

A Varíola no Canário

variola_no_canarioCarlos Moya Nunes da Silva

Não se sabe com exatidão quais são os animais que transmitem esta doença aos nossos canários. É uma questão de insetos que se alimentam CCCCCCCCCCCCCCde sangue, como os mosquitos, mas os ratos também podem ser. O vírus pode igualmente ser veiculado pelo ar. O que é certo é que o vírus só penetra no corpo da ave, por uma ferida, picadela de mosquito, bicadas dadas durante a muda, etc.

Por estas razões a varíola aparece sobretudo:

Durante a muda porque as aves estão fatigadas e as partes do corpo desnudadas são um terreno favorável às feridas cutâneas, por onde penetra o vírus.

Em todos os canaris em geral aonde as aves tem uma resistência menor por causas várias: fadiga, má nutrição, aves já doentes ou infestadas.

A grande maioria dos agentes responsáveis pelas doenças quer sejam micróbios ou vírus, são específicos da espécie que eles contaminam. Isto quer dizer que o vírus que origina uma doença num animal só é perigoso para os animais da mesma espécie.

Um exemplo:

Os cães podem ter hepatites virais, mas se injetar a um homem o vírus responsável pela hepatite do cão, a doença não se desenvolvera no homem. Isto contraria as pessoas que crêem que o contacto de animais com eles ou filhos, pode ser contagioso de doenças que estes portem com exceção da psitacose.

Esta barreira não é só entre animais e o homem, mas ela existe também entre animais de espécies diferentes, assim existem:

a varíola do pombo (borreliota columbae) B. C;

a varíola da galinha (borreliota avium) B.A.;

a varíola do canário (borreliota fringilidae) B.F.;

Se injetar em um canário o vírus da varíola do pombo a doença grave não terá lugar no canário.

Mas, é aqui aparece o conceito de portadores sãos, o canário guardará durante um certo tempo o vírus do pombo e se ele for posto um contacto com os pombos ele poderá transmitir o do vírus que ele porta e contaminar os pombos. É o que se chama um portador são. São geralmente estes portadores sãos que propagam as doenças contagiosas pois eles não são atingidos.

Assim para toda a ave nova introduzida num canaril, deve-se pôr o problema da quarentena.

A quarentena consiste em isolar as aves adquiridas num local diferente do local de criação e com um material que não estará mais em contacto com o do canaril normal.

Depois de se ter tratado das aves em quarentena deve-se desinfectar as mãos com álcool a 90° antes de ocupar do seu próprio canaril. Para os canários esta quarentena pode-se limitara um mês.

Se a utilidade da quarentena não é discutível porque ela é válida para todas as doenças, não há duvida que o melhor meio de prevenção das epidemias da varíola é a vacinação.

Uma vacina é constituída por vírus ou micróbios, que sejam mortos, quer sejam de virulência atenuada, quer sejam não virulentas (os vírus ou micróbios da vacina são os mesmos da doença contra a qual se vacina). A vacina antivariólica que se utiliza para os canários contém o vírus da varíola do canário de virulência atenuada por 400 passagens sobre culturas de tecidos: fibroblastos de galinha. Esta vacina protege durante um ano. O que é importante do ponto de vista prático é que as vacinas são totalmente inofensivas, Mas elas dão origem nos organismos as mesmas reações que oferecia a doença grave.



Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

2017© Amgercal Indústria e Comércio Ltda.
Fábrica e Escritório Central:
RUA PADRE FRANCISCO ABREU SAMPAIO, 33
Chácara Bela Vista - Sumaré - SP - cep: 13175-560
Tel: (19) 3873-4161 / (19) 3803-2065 / (11) 97110-0585 Whatsapp
E-mail: vendas@amgercal.com.br
Site e Publicidade: Artware