Informação, Tecnologia e Qualidade a Serviço do Criador.

O portal feito para você e seu pássaro!

(19) 3873-4161 / (19)3903-2065 / (11)97110-0585

vendas@amgercal.com.br

Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
  |    |   São Paulo - SP 

Linha Escura - Maneja Das Melaninas

melaninasJoão F. Basile da Silva

Sempre que avaliamos a qualidade das melaninas dos canários, observamos que existe uma grande diferença em BBBBBBBBBBBBBtermos de qualidade melânica entre os diversos criadores.

A criação desses canários no Brasil já vem de longa data. e nos perguntamos porque essa diferença ainda persiste.

Notamos também que essa distancia é maior nas cores em que a presença de feomelanina não é desejável como e o caso dos melânicos clássicos e os melânicos pastéis (com exceção do canela pastel). Nessas cores, a eliminação da feomelanina indesejável tem que ser feita a custa de seleção.

Nas cores em que a presença de feomelanina é necessária e desejável como os feos e canelas pastel, percebemos que a excelência de qualidade é mais facilmente atingida.

Nas cores em que a feomelanina, por força da mutação correspondente tem a sua presença inibida ou atenuada, observamos também uma aproximação em termos de qualidade entre os vários criadores (é o caso dos opalinos). Temos ágata opalinos por exemplo com excelente nível de qualidade.

Com isso chegamos à conclusão que o nosso maior problema tem sido a presença da feomelanina nas cores em que ela não e desejável.

O objetivo do presente artigo é debater alguns pontos que ao nosso ver orientam os criadores mais técnicos e que vêm possibilitando essa evolução tão grande no que respeita a qualidade de melaninas.

Ao nosso ver, o objetivo dos criadores que desejam aprimorar a qualidade melânica dos seus pássaros deve se centralizar em dois pontos:

eliminação da feomelanina

concentração das eumelaninas

Rara melhor entender como chegar a esses objetivos devemos recordar a posição que cada uma das melaninas ocupa nas penas dos canários.

Sabemos que a feomelanina ocupa principalmente a borda das penas enquanto que as eumelaninas ocupam sua parte central.

Podemos tentar representar muito esquematicamente a distribuição dos pigmentos corantes fazendo um corte transversal num canário e observar que a feomelanina ocupa a parte mais superficial do manto do canário.

Dessa maneira, a feomelanina provoca um embaçamento no desenho das eumelaninas que estão num extrato inferior, tal como se fosse colocada uma cobertura semitransparente amarronzada sobre o manto do canário. Isso provoca uma confusão no desenho e impede a máxima manifestação das eumelaninas.

Isso posto, como um primeiro passo para a eliminação da feomelanina indesejá­vel devemos eleger para reprodução pássaros com plumagem curta. O pássaro com plumagem curta tem uma tendência menor a manifestar a feomelanina, não necessaria­mente porque não a possua, mas sim porque a sua aparição é impedida . pelo simples fato de que a pena tem uma borda menor e no momento em que a feomelanina seria depositada a pena já não apresentar mais local para isso.

Um segundo ponto também de grande importância na obtenção de canários com mínima feomelanina é a seleção de exemplares que apresentem "fator azul" ou "fator óptico para o azul". Tal fator elimina os resíduos de feomelanina das bordas das penas permitindo uma maior manifestação tanto do lipocromo como das eumelaninas.

O fator azul se manifesta nas células das penas cuja estrutura possibilita a refle­xão de raios luminosos azuis e o resultado disso são aqueles pássaros que impressionam pelo seu brilho. A modificação que ocorre na estrutura das penas com fator óptico é que determina a diminuição da presença de feomelanina nas bordas das penas.

Portanto selecionar-se no sentido de máximo fator azul, resulta sempre em míni­ma quantidade de feomelanina.

O criador deve ter em mente também que por ocasião do depósito dos pigmentos corantes nas penas dos canários, existe uma concorrência por espaço entre o lipocromo e as melaninas, (na realidade o melhor termo seria intersecção).

Isso quer dizer que nas regiões onde não existe depósito de lipocromo a presença de melaninas se faz mais acentuada, o que explica a melhor qualidade melânica dos mosaicos e dos canários com lipocromo ausente (prateados e azuis), como comportamento geral.

Os mosaicos devem ter o manto com menor presença de lipocromo possível e com isso pode-se trabalhar e obter pássaros com melhor qualidade de melaninas. O que se vê nos concursos hoje em dia são mosaicos e prateados com qualidade melânica superior aos intensos e nevados (mais uma vez generalizando e não se considerando a distribuição do desenho em si).

Além de conhecer o mecanismo de depósito das melaninas, o criador deve ter em mente também que só se consegue bons resultados à custa de uma seleção muito bem feita. Para conseguir isso. o criador deve se especializar nas cores de sua preferência e procurar fazer vários casais dessa cor. Com isso pode obter grande número de filhotes e realizar uma seleção rigorosa nos mesmos tendo os objetivos já citados em mente. Essa especialização também é uma característica dos criadores mais técnicos e ajuda a explicar seu grande progresso.


 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

2017© Amgercal Indústria e Comércio Ltda.
Fábrica e Escritório Central:
RUA PADRE FRANCISCO ABREU SAMPAIO, 33
Chácara Bela Vista - Sumaré - SP - cep: 13175-560
Tel: (19) 3873-4161 / (19) 3803-2065 / (11) 97110-0585 Whatsapp
E-mail: vendas@amgercal.com.br
Site e Publicidade: Artware