Informação, Tecnologia e Qualidade a Serviço do Criador.

O portal feito para você e seu pássaro!

(19) 3873-4161 / (19)3903-2065 / (11)97110-0585

vendas@amgercal.com.br

Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider
  |    |   São Paulo - SP 

O Canário Branco

o_canario_branco

Fonte: Roberto Kobayashi
Juiz OBJO/FOB

Juiz COM/OMJ-HS


I - HISTÓRICO E INTRODUÇÃO:

O presente trabalho envolve conceitos técnicos e opinativos decorrentes de 20 anos deA_Q_U_I___I_M_A_G_E_N_S experiência na criação do Canário "Branco", cujo hobby culminou na obtenção de vários títulos brasileiros e mundiais. Sem desejar que se aventem polêmicas, espero que o texto possa esclarecer e orientar a todos aqueles que se direcionem à linha em apreço, por meio do enfoque prático da criação, envolvendo aspectos técnicos quanto ao manejo, acasalamento, genética em linguagem simples, alimentação, preparo para exposição, medicamentos, etc.
O Canário Branco, uma mutação surgida na Nova Zelândia em 1908, no criadouro da Sra. LEE em Matinborough. De um casal de amarelos nevados surgiu um pássaro totalmente branco. Através de acasalamentos consangüíneos, a criadora conseguiu fixar a mutação que concluiu ser recessiva e autossomal, sendo os primeiros pássaros bastante frágeis e de difícil desenvolvimento.
Como já existiam os brancos dominantes com incrustações amarelas em determinadas regiões do corpo, foi essa nova mutação denominada de Branco Recessivo. Mais tarde, concluiu-se que sua fragilidade se devia a uma deficiência orgânica, pois não sintetizavam ou metabolizavam a vitamina A. É atualmente, sem dúvida nenhuma, a cor de canário mais criada no Brasil. Em todos os campeonatos, sejam regionais, abertos ou Brasileiro, é o que se apresenta em maior número nas mesas de julgamento.

Qual seria a razão dessa preferência? Eu diria que é devido à beleza da brancura imaculada, a pureza da cor sem interferência de artifícios e vitaminas colorantes, aliada à forma e plumagem perfeitas. É um canário de fácil manejo e muito fértil.
Apesar de ser um pássaro fácil de se criar, desde que tomadas as devidas precauções quanto ao manejo, conseguir um exemplar valioso para exposição e o mesmo ser campeão, o trabalho é árduo, e que requer alguma experiência genética, principalmente quanto ao acasalamento e alimentação.
Os nossos brancos evoluíram muito, nada deixando a desejar com relação aos exemplares importados. Antigamente, os importados apresentavam um brilho (brancura) mais acentuado que os nossos, porém deixando muito a desejar no que diz respeito à forma. Hoje essa desvantagem está superada. Nossos pássaros são tão brancos quanto os importados e com forma infinitamente superior. Esta verdade pode ser constatada pelos exemplares que se apresentam no julgamento do Brasileiro, verdadeiras obras-primas.
Parabéns aos criadores que se dedicam a essa cor, pela qualidade apresentada no Brasileiro.
  • II- ESPÉCIES:

  • - Branco (Recessivo)
  • - Branco Dominante, em ambos com variação para Ino (olho vermelho)
  • - Albino
  • - Albino Dominante

  • BRANCO RECESSIVO



É o mais difundido no Brasil. Apresenta uma brancura imaculada em toda sua plumagem. Geneticamente é de caráter recessivo, necessitando portanto de dose dupla para o seu surgimento. Daí a necessidade, na prática, de se acasalar um Portador de branco ou Portadora, com um Branco puro ou pura, produzindo teoricamente 50% de portadores e 50% de puros.
O acasalamento de Puros x Puras produz 100% de filhotes brancos.
O fator recessivo é responsável pela ausência absoluta de carotenóide, a inibição total do depósito de lipocromo configura o branco absoluto.
A característica genética principal da raça é a incapacidade do organismo metabolizar a pró-vitamina A que ingere, daí a necessidade de se fornecer, em sua dieta, a vitamina A pura, já elaborada.
Devido a essa deficiência vitamínica, a pele do recessivo difere da dos demais canários, apresentando uma cor arroseada ou lilás.
Nos filhotes recém-nascidos pode-se notar mais nitidamente esta característica. Eles são bem róseos ao nascerem. À medida que vamos lhes administrando a vitamina A elaborada, a sua pele vai-se transformando em uma cor mais avermelhada.

  • BRANCO DOMINANTE



Essa espécie não é, na realidade, um canário totalmente branco pois muito embora seu fenótipo assim se apresente, nota-se resquícios de carotenóide, em especial nas bordas das penas periféricas das asas, cauda, encontros e outras regiões do corpo.Nota-se uma incidência maior do lipocromo nos machos. Daí haver um aproveitameno maior das fêmeas para concursos, por apresentarem uma inibição maior do lipocromo na plumagem, característica que muito as valoriza na condição de Branco Dominante.
O carotenóide ou lipocromo varia do amarelo ao vermelho-laranja e marfim, devendo prevalecer, contudo, a tonalidade "amarelo limão".
Importa ressaltar, ainda, que o "branco da plumagem"não é lipocromo.
A hereditariedade do fator Branco Dominante explica-se, em parte, pelo seu próprio nome, sendo ele dominante em relação aos demais fatores, isto é, domina as demais cores de fundo, seja amarelo, laranja , vermelho ou marfim. Daí obtermos do acasalamento de um branco dominante com um canário amarelo normal, teoricamente, 50% de Branco Dominante e 50% de amarelos.
Não existe o Branco Dominante homozigoto, visto ser ele letal, havendo a perda de 25% dos embriões, pelo fator sub-letal no acasalamento de dois brancos dominantes. Constata-se que poucos são os criadores no Brasil que se dedicam a essa variedade de branco, haja vista a disseminação do Branco Recessivo, teoricamente mais fácil de se criar. A peculiaridade da espécie de somente as fêmeas reunirem as melhores condições técnicas para concurso, e dos machos apresentarem indesejáveis incrustrações lipocrômicas, e ainda, dos filhotes amarelos apresentarem muita névoa (dificultando, portanto, o aproveitamento em criações de amarelos intensos) levam os criadores brasileiros a desprezar essa linha, fato certamente lamentável.
Grupo diverso (no qual me acho incluso) prefere criar o Branco Dominante de modo combinado com o Branco Recessivo, ainda que o resultado do cruzamento seja mais demorado e nem sempre se logre a qualidade técnica desejada e necessária.

 

  • ALBINO (RECESSIVO) E ALBINOS DOMINANTES



Tem as mesmas características fenotípicas do canário branco e branco dominante, só que possuem olho vermelho (cor de rubi).

No Brasil os mais criados são os ligados ao sexo (satinet). Os inos (geneticamente recessivos) foram praticamente extintos de nossos criadouros. Apresentam uma maior dificuldade técnica e genética para criação, por possuírem olhos vermelhos.

Deve ser evitado sua exposição prolongada aos raios solares, principalmente em horários muito quentes, sob o risco de causar cegueira, daí a sua fragilidade.

  • III - GENÉTICA

  • III- A) INTRODUÇÃO:


O conhecimento de genética aplicada a criação de canários brancos é de suma importância para o sucesso do criador:
Obedecer a certos conceitos genéticos, conhecer um bom pássaro, saber o que este bom pássaro deve reunir de qualidades, saber como acasalá-los, quando acasalar, quais cores e raças podem ser acasalados com o branco, como cuidar do filhote recém-nascido, como melhorar o padrão do Branco, onde melhorar, como melhorar, etc.

 

  • III- B) BRILHO (fator óptico)


Trata-se do item mais relevante na pontuação do pássaro, correspondendo a 50% da sua avaliação total.
O brilho é a brancura que podemos notar no fenótipo do canário branco. Quanto mais branco, mais brilho ele tem. Ele é obtido exclusivamente de seleção genética. Isto significa que devemos descartar todos os exemplares sem brilho.
O brilho pode ser intensificado através de meios artificiais, dentre eles cito: o banho, exposição ao sol, alimentação, óleo, sementes, produtos utilizados na lavagem do canário, etc.
A luminosidade dos pássaros pode ser melhorada desde que o criador siga algumas regras, dentre as quais temos:
1- Nunca acasale 2 brancos sem brilho.
2- Utilize sempre amarelos limão, pois os mesmos transmitirão o fator óptico para o azul, possibilitando a obtenção de brancos com mais luminosidade.
3- Quando acasalar com branco dominante, este deverá ter incrustação limão e ser brilhante.
4- Quando for formar portadores ou portadoras, utilizar sempre um macho branco para acasalar. Teoricamente o macho possui mais brilho que a fêmea.
5- Administre ao seu pássaro, óleo de girassol ou outro de sua preferência, principalmente na muda. Acrescente também linhaça à razão de 5% na sua mistura de sementes.
6- Forneça vitamina "A"pura, elaborada, na água ou na ração. Particularmente prefiro misturar na ração.
7- Dê bastante sol e banho aos seus brancos.

  • III- D) PROCEDIMENTOS PARA MELHORA NO PADRÃO DO CANÁRIO BRANCO



Avalia-se praticamente a sua plumagem, brilho e forma, diferentemente de um pássaro mosaico da linha escura com fator, que imprescindindo de análise mais avançada concernente ao lipocromo, categoria e melaninas, enseja a subjetividade e, como conseqüência, alguns defeitos são desconsiderados no contexto global do pássaro. Com o canário branco, no entanto, tal fenômeno não ocorre, devendo ele ser perfeito, buscando a melhoria nos seus detalhes ínfimos, quais sejam: olhos, bico, cabeça, pestana, nuca, posição no poleiro, etc.

 

  • BRILHO (fato óptico)


Trata-se do mais relevante item, correspondente à metade da pontuação do canário.
O brilho é obtido, exclusivamente, de forma genética, pela seleção dos reprodutores com esta qualidade, passível de intensificação através de meios artificiais, dentre eles: banho, sol, shampoo especial, alimentação, óleo, sementes, etc. Pode o criador melhorar a luminosidade de seus pássaros, atentando às regras seguintes:
1- Nunca acasale dois brancos sem brilho. Ao menos um deles deve ser brilhante, a fim de transmitir esta característica.
2- Num acasalamento em que um deles não tenha muito brilho, dê preferência à utilização do macho brilhante, lembrando-se daquela regrinha onde a fêmea transmite forma, cabeça, e o macho a plumagem e a cor.
3- Quando acasalar com amarelo nevado ou mosaico, o branco deverá ser o mais brilhante possível.
4- Procure utilizar amarelos "limão" e de plumagem o mais curta possível.
5- Administre ao seu pássaro óleo de girassol ou outro de sua preferência na muda, e acrescente linhaça à sua mistura de sementes, que ajudarão a intensificar o brilho.

  • PLUMAGEM:


Para a obtenção de brancos com plumagem lisa, sedosa, aderente e uniforme aconselho o acasalamento de pássaros com penas curtas. Nunca se deve acasalar dois exemplares com penas longas, o que poderia provocar o surgimento de bolas (quistos). Uma boa forma de se obter pássaros mais enxutos seria o acasalamento brancos x brancos, com escolha criteriosa dos reprodutores quanto à plumagem. Embora esse acasalamento possa teoricamente diminuir o tamanho do filhote, na prática apresenta resultados altamente animadores. Atualmente é o acasalamento preferido dos criadores. Outro bom acasalamento para encurtar a plumagem seria o de brancos x brancos dominantes.
Lembrem-se, também, que, quanto menor o canário, maior a probabilidade da plumagem encurtar. Portanto muito cuidado com o acasalamento de pássaros grandes.

 

  • CABEÇA, BICO, OLHOS:


Uma das características que mais me chama a atenção num canário branco é o tamanho e formato de sua cabeça, o bico curto e os olhos grandes e bem centrados.
O pássaro que possui cabeça pequena, achatada, bico comprido e olhos mal centrados, deve ser evitado na escolha para reprodução.
Para se aumentar o tamanho da cabeça do canário procuro utilizar brancos com esta característica e principalmente acasalando com portadores ou portadoras amarelas.
Quando acasalar com mosaicos, prefira as fêmeas pois os machos geralmente possuem a cabeça achatada.

 

  • FORMA:


Dificilmente um pássaro sem boa forma atinge os 90 pontos. Através de acasalamento pode-se atingir tal objetivo, utilizando-se exemplares que se apresentem com boa forma, em especial as fêmeas.
Visando aprimorar a forma do branco, venho trabalhando com portadoras mosaicas que possam transmitir esta característica com muito sucesso.
O padrão atingido pelas nossas fêmeas mosaicas é muito elevado. São quase perfeitas em se tratando de forma e plumagem, vale a pena tentar.
Além dessas extraordinárias características por elas transmitidas, o dimorfismo sexual (onde o macho difere da fêmea) atua de forma significativa no padrão do branco, facilitando o velho problema de sexagem do canário branco.
De fato, sendo as fêmeas mosaicas de formas totalmente diferentes do macho, ao herdar esta característica facilita-se o trabalho de distinguir o sexo dos brancos.
Outro acasalamento recomendável para melhorar a forma do pássaro seria o acasalamento com fêmeas amarelas nevadas, cujos filhotes obtidos apresentarão facilmente tal característica da mãe.
Hoje existe uma dificuldade maior em se obter amarelas nevadas boas para formar portadores, em razão de muitos criadores terem abandonado ou diminuído esta cor. Daí eu ter recorrido ao amarelo mosaico como uma opção maior no mercado. Evite o acasalamento com amarelos intensos, principalmente fêmeas, pois suas características genéticas, no meu ponto de vista, tem se revelado indesejáveis à obtenção de bons exemplares brancos.

 

  • IV - PREPARO DO BRANCO PARA EXPOSIÇÃO


Os canários brancos necessitam de um maior cuidado no que diz respeito à sua limpeza, pois somente um pássaro totalmente limpo pode mostrar a sua brancura imaculada. Por mais qualidades que apresente, certamente terá sua chance diminuída em concursos caso não seja cuidadosamente preparado.
Diz o ditado, que um concurso se ganha na mesa de julgamento. Quantos canários excelentes não perderam porque se apresentaram desarrumados ou sujos na mesa?
Tomando-se certos cuidados, seu canário estará em condições de mostrar toda sua potencialidade e com reais chances de ganhar. Para que tudo se conduza a contento, siga os seguintes passos:
1- Observe os filhotes que se sobressaírem e separe-os, imediatamente, em gaiolas menores (em criadeiras de 03 a 04 no máximo, por gaiola). Após a separação dos pais, os filhotes eleitos tão logo iniciem a muda devem ser retirados da voadeiras, para evitar a debicagem.
Não gosto muito de individualização em gaiolas de exposição, porque as penas da cauda e da asa se quebram e desarrumam com facilidade. Outro inconveniente é que, individualizando, o pássaro dificilmente se banha.
Aconselha-se oferecer o banho em filhotes somente após finalizada a muda da região da espádua, pois a tendência , ao se molharem, é de se lubrificarem e se coçarem, o que poderia provocar sangramento das penas em desenvolvimento.
2- Dê sol e banho, com freqüência, o máximo possível. O canário necessita de muito sol, não só para fixar vitaminas, mas também acentuar o brilho e a beleza de sua plumagem. Caso não se banhe sozinho utilize uma bombinha de molhar plantas, adicionando de vez em quando 03 ml de glicerina líquida para ½ litro de água.
3- Lave seu branco com sabão de coco ou outro que seja neutro, principalmente na cauda, ponta da asa e ao redor do bico. Utilize uma escova de dentes com cerdas macias. A ponta da cauda deve ser lavada semanalmente para evitar o encardimento.
4- Não dê verdura ao seu canário nos 30 dias que antecederem a exposição. Eu, particularmente, após o desmame, suspendo o fornecimento de verdura.
5- Em caso de sangramento do pássaro, retire a pena com hemorragia, utilizando uma pinça, tomando o cuidado de puxá-la no sentido nascente, evitando que eventualmente, ela cresça torta. Havendo sangue na plumagem do pássaro, lave imediatamente a região afetada, pois a mancha, depois de seca, dificilmente sai no canário branco.
6- Habitue-se a apanhar seu canário pelas mãos, isso evita que ele se torne "selvagem", ao mesmo tempo em que realiza-se uma inspeção nas penas quebradas, retirando-as, quando necessário. Lembre-se que as penas da cauda levam cerca de 40 a 45 dias para nascerem e as da asa, em torno de 35 dias.

 

  • V - MEDICAÇÃO E VACINAS



Somente medicar quando o pássaro apresentar o sintoma de alguma doença. A única precaução que costumo adotar é a pulverização do canário contra os piolhos antes de iniciar a criação. Utilizo também Ivomec e mebendazol pó para desvermifugar os pássaros.

  • VI- ALIMENTAÇÃO



Durante o período de cria:

Farinhada acrescida de semente cozida (alpiste, niger, colza, aveia, painço e nabão, misturadas em partes iguais). Cozinhar em fervura durante 30 minutos e depois coar com água limpa.

Medida: 1 copo americano por quilo de farinhada pronta.
Adicionar suplemento vitamínico composto de vitamina A, D e E. Hoje existem diversos à venda nas casas especializadas, devidamente balanceadas para canários. Almeirão ou chicória, até o filhote completar 20 dias, depois não fornecer mais.

Dar papinha no bico dos filhotes até que eles completem cerca de 10 dias. Na papinha, adicionar Micostatin líquido, Protovit mais Complexo B da Roche e Clavulin.
Usar sempre mistura de sementes limpas e abanadas. Manter a higiene no criadouro e nas gaiolas.

  • VII- CRITÉRIOS DE JULGAMENTO

Tanto para os brancos como para os brancos dominantes: variedade (cor) e categoria (intenso, nevado ou mosaico). São reagrupados em 50 pontos. De acordo com os regulamentos internacionais da COM, atribui-se o máximo de 47 pontos ao pássaro branco muito bom, daí terem a seguinte escala de pontuação:

  • MUITO BOM: cor branca brilhante
  • Total de pontos -------------------------- 47
  • BOM: exemplares de branco mediano
  • Total de pontos -------------------------- 44 a 46
  • REGULAR: pássaros de pouco brilho
  • Total de pontos -------------------------- 41 a 43
  • FRACO: exemplares sem brilho de cor apagada
  • Total de pontos ------------------------- 38 a 43

Os demais itens são:

  • PLUMAGEM ---------------------------------------------------- 14
  • TAMANHO ------------------------------------------------------ 10
  • FORMA ----------------------------------------------------------- 9
  • ELEGÂNCIA ----------------------------------------------------- 9
  • APRESENTAÇÃO ---------------------------------------------- 5

TOTAL PRÁTICO ---------------------------------------------- 94

  • VIII- ACASALAMENTOS

O sucesso na obtenção da qualidade e quantidade de filhotes depende em grande parte do correto acasalamento dos pássaros.

Existem acasalamentos que, embora possíveis, devem ser praticados com uma certa cautela pois podem apresentar alguns inconvenientes, dentre os quais cito:

- O acasalamento entre portador e portadora, que produz os já conhecidos PP (prováveis portadores), ou seja, filhotes que só poderão ser comprovados se são portadores ou não após testados em acasalamentos. O mesmo ocorre com acasalamento entre portador x normal, onde toda a descendência será de filhotes prováveis portadores (50% de portadores e 50% de normais, todos com a carga genética de branco somente comprovados após testados em acasalamentos).

  • - Branco dominante x branco dominante: apresenta o inconveniente da perda de 25% dos embriões, pelo fator sub-letal. A explicação genética para essa ocorrência é o fato de não existir branco dominante homozigoto.

  • PRINCIPAIS ACASALAMENTOS DO BRANCO:

1 - Brancos (recessivos)

  • Portador x pura
  • Puro x portadora
  • 50% portadores (machos e fêmeas)
  • 50% puros (machos e fêmeas)

  • Puro x pura:
  • 100% filhotes puros (machos e fêmeas)

  • Portador x portadora:
  • 25% puros machos e fêmeas
  • 50% portadores machos e fêmeas
  • 25% normais machos e fêmeas

  • Normal x pura
  • pura x normal
  • 100% machos e fêmeas portadores

  • Portador x normal
  • normal x portadora
  • 50% machos e fêmeas portadores
  • 50% machos e fêmeas normais

2 - Brancos dominantes:

  • b. dominante x normal
  • normal x b.dominante 50% brancos domin. (machos e fêmeas)
  • 50% normais (machos e fêmeas)

  • b. dominante x branco
  • branco x b. dominante
  • 50% b. dominantes machos e fêmeas portadores branco
  • 50% amarelos portadores de branco

  • b. dominante x b. dominante filhotes
  • 75% br. Dominantes machos e fêmeas
  • 25% amarelos machos e fêmeas

3 - Albinos e albinos dominantes:

  • Albino x albino:
  • 100% filhotes albinos (machos e fêmeas)

  • Albino x branca:
  • 50% machos brancos port/ albino
  • 50% fêmeas albinas

  • Albino x normal (amarelo):
  • 50% machos amarelos port/ brancos e albino
  • 50% fêmeas lutinas portadoras / branco

  • Albino x br. Dominante normal:
  • 25% machos br. Dom. portadores/ branco e albino
  • 25% machos amarelos portadores/ branco e albino
  • 25% fêmeas albinas dominantes portadoras/branco
  • 25% fêmeas lutinas portadoras/branco

  • Albino x br. Dom. port/br:
  • 25% machos brancos port/albino
  • 12,5% machos br. Dom. port/ br e albino
  • 12,5% machos amarelos port/br e albino
  • 12,5% fêmeas albinas
  • 12,5% fêmeas albinas dominante port/branco
  • 25% fêmeas lutinas port/branco

  • br. Port/alb x albina:
  • 25% machos brancos port/alb.
  • 25% machos albinos
  • 25% fêmeas brancas
  • 25% fêmeas albinas

  • Branco normal x albina:
  • 50% machos e brancos port/alb.
  • 50% fêmeas brancas normais

  • Branco port/alb x branco normal:
  • 25% machos brancos normais
  • 25% machos brancos port/alb
  • 25% fêmeas albinas
  • 25% fêmeas brancas normais

  • Lutino port/br x albina: 25% machos albinos
  • 25% machos lutinos port/branco
  • 25% fêmeas albinas e lutinas port/br
  • 25% fêmeas brancas normais e amarelas port/br.

  • Lutino normal x albina:
  • 50% machos lutinos port/br e alb
  • 50% fêmeas lutinas port/br

  • Amarelos port/alb x albinas: 12,5% machos albinos
  • 12,5% machos lutinos port/br e alb
  • 12,5% machos brancos port/alb.
  • 12,5% machos amarelos port/alb e lut.
  • 12,5% fêmeas albinas
  • 12,5% fêmeas lutinas port/br e alb.
  • 12,5% fêmeas brancas normais
  • 12,5% fêmeas amarelas port/br

  • Amarelo normal x albina:
  • 50% machos amarelos port/ br.albino e lut.
  • 50% fêmeas amarelas port/br

  • alb. Dom. x alb. Domin.:
  • 75% alb. Dom. machos e fêmeas
  • 25% lutinos machos e fêmeas

  • alb. Domin. X albina:
  • 25% machos alb. Dom. port/br
  • 25% machos lutinos port/br
  • 25% fêmeas alb.Dom. port/ br
  • 25% fêmeas lutinas port/br

  • Alb. Dom port/br x albina:
  • 16,66% machos albinos
  • 16,66% machos albinos Dom. port/br
  • 16,66% machos lutinos port/br
  • 16,66% fêmeas albinas
  • 16,66% fêmeas alb.Dom. port/br
  • 16,66% fêmeas lutinas port/br

  • br. Dom.port/br x albina:
  • 8,33% machos albinos
  • 8,33% machos alb.Dom. port/br
  • 8,33% machos lutinos port/br
  • 8,33% machos brancos port/alb e lut.
  • 8,33% machos amarelos port/alb e lut
  • 8,33% machos br. Dom. port/ alb. Alb. Dom e lut.
  • 8,33% fêmeas albinas
  • 8,33% fêmeas alb.Dom. port/br.
  • 8,33% fêmeas lutinas port/br
  • 8,33% fêmeas brancas normais
  • 8,33% fêmeas br. Dom.port/br
  • 8,33% fêmeas amarelas port/br.

  • br. Dom.normal x albina :
  • 25% machos br.Dom. port/ alb, alb. Dom. e lut.
  • 25% machos amarelos port/br, alb e lut.
  • 25% fêmeas amarelas port/br
  • 25% fêmeas br. Dom. port/br

  • br. Dom.port/alb.dom x 18,75% machos alb. Dom.
  • alb. Dom.
  • 18,75% machos br. Dom. port/ alb. Dom.
  • 12,5% machos amarelos port/lut.
  • 18,75% fêmeas alb.Dom.
  • 18,75% fêmeas br. Dom. normais
  • 12,5% fêmeas lutinas

  • br. Dom port/alb.dom x
  • br. Dom.
  • 18,75% machos br. Dom. normais
  • 18,75% machos br. Dom. port/ alb. Dom.
  • 6,25% machos amarelos normais
  • 6,25% machos amarelos port/ lut.
  • 18,75% fêmeas alb. Dom.
  • 6,25% fêmeas lutinas
  • 18,75% fêmeas br. Dom. normais
  • 6,25% fêmeas amarelas normais

  • lutino x alb. Dom:
  • alb. Dom. x lutina:
  • 25% machos alb. Dom.
  • 25% machos lutinos
  • 25% fêmeas alb. Dom.
  • 25% fêmeas lutinas
  • Alb. Dom. x amarela normal:
  • 25% machos br. Dom. port/ alb. Dom. lut.
  • 25% machos amarelos port/lutino
  • 25% fêmeas alb. Dom.
  • 25% fêmeas lutinas

  • Amarelo port/lut x alb. Dom.
  • 12,5% machos alb. Dom.
  • 12,5% machos br. Dom. port/ alb. Dom. lut.
  • 12,5% machos lutinos
  • 12,5% machos amarelos port/lut.
  • 12,5% fêmeas alb. Dom.
  • 12,5% fêmeas br. Dom. normais
  • 12,5% fêmeas lutinas
  • 12,5% fêmeas amarelas normais

  • Amarelo port/lut x br. Dom.
  • 12,5% machos br. Dom. normais
  • 12,5% machos br.Dom. port/ alb. Dom. lut.
  • 12,5% machos amarelos normais
  • 12,5% machos amarelos port/lut
  • 12,5% fêmeas alb. Dom.
  • 12,5% fêmeas lutinas
  • 12,5% fêmeas br. Dom.
  • 12,5% fêmeas amarelas normais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Да ладно тебе, "Железный мальчик игры"раздраженно сказал Ангел.

Вот вопрос, на который я мучительно "Скачать звинцова"жаждал ответа.

И с "Аватар прикольную скачать"бабой я сто лет не "Скачать бесплатные хитовые песни"был, и не дрался ни с кем, "Мама баста песни скачать"я ж вообще не дерусь, сил нет, какой "Скачать соло на клавиатуру"из меня боец!

Потом нас "Бесплатные антивирусы для мобильных скачать"попыталась перехватить крылатая собака.

Не ушел бы от своих "Скачать фильм игру музыку"братьев по идеологии, "Ландыши песню скачать"они б тебя куда надо переправили.

Зато "Бесплатные игры скачать автобусы"Легро был хитрее ирландца, и в этот критический момент он прибегнул к одной уловке.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

2017© Amgercal Indústria e Comércio Ltda.
Fábrica e Escritório Central:
RUA PADRE FRANCISCO ABREU SAMPAIO, 33
Chácara Bela Vista - Sumaré - SP - cep: 13175-560
Tel: (19) 3873-4161 / (19) 3803-2065 / (11) 97110-0585 Whatsapp
E-mail: vendas@amgercal.com.br
Site e Publicidade: Artware